ALGORITMOS PARA CARTEIRAS DE INVESTIMENTOS NAS VERSOÕES MONO E MULTIOBJETIVO

Maisa Kely Melo, Rodrigo Tomás Nogueira Cardoso

Resumo


A composição das carteiras de investimentos, visando aumentar os retornos, minimizando a exposição ao risco, tem sido um assunto de crescente interesse entre os brasileiros. O objetivo deste trabalho é comparar o desempenho de três algoritmos que realizam a otimização de um portfólio baseado em dados históricos do mercado de ações
do Brasil. Na versão mono-objetivo, para a minimização do risco, o Algoritmo Elipsoidal e o Algoritmo Genético foram considerados. Na versão multiobjetivo, que visa minimizar o risco e maximizar o retorno do portfólio, foi considerado o Algoritmo Elipsoidal com
o método de escalarização Pepsilon. A análise da versão mono-objetivo mostra que ambos os métodos convergiram na mesma tendência, desconsiderando no portfólio as empresas que apresentaram maior instabilidade. O algoritmo elipsoidal gerou soluções com maior
diversidade, e o Algoritmo Genético obteve carteiras de investimentos com retornos mais elevados. Os resultados obtidos pela versão multiobjetivo mostraram que o algoritmo foi capaz de obter carteiras diversificadas, com todos os retornos positivos e riscos muito próximos de zero. Em geral, o desempenho dos algoritmos foi considerado satisfatório porque conseguiram capturar as oscilações do mercado e propor carteiras compostas por empresas com menos exposição ao risco.

Palavras-chave


Carteira de Investimento. Algoritmo Genético. Método Elipsoidal. Método Pepsilon.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21575/25254782rmetg2018vol3n2590

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Maisa Kely Melo

Revista Mundi Engenharia, Tecnologia e Gestão ISSN 2525-4782

Qualis: B4 - Interdisciplinar, B5 - Geografia, B5 - Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo, B5 - Comunicação e Informação, B5 - Engenharias III

 

Bases indexadas