OS SENTIDOS DO TRABALHO E A PRODUÇÃO ARTESANAL: OS CASOS DO LUTHIER E DO MESTRE VIDREIRO

Felipe Tavares, Valquiria Padilha

Resumo


No contexto capitalista atual, em que o mundo do trabalho tem se caracterizado como um cenário de precarização, incertezas e instabilidades, onde a maioria dos assalariados realiza trabalhos alienados e com pouco sentido, que alternativas seriam possíveis aos trabalhadores? Seria o trabalho artesanal uma opção de vida laboral dotada de sentido, ainda que inserido na lógica capitalista? Que particularidades esse tipo de trabalho possui? Seriam elas suficientes para propiciar aos trabalhadores/artesãos o que os empregos tradicionais da sociedade industrial não propiciam? Com essas questões ao fundo, o presente artigo é resultado de uma pesquisa que investigou quais são as características peculiares do trabalho artesanal e em que medida elas podem ser consideradas como indicadores de um trabalho com sentido, não alienado - ainda que na ordem capitalista. Partimos da premissa de que a precarização do mundo do trabalho no capitalismo se dá, como evidenciam inúmeros estudos, pelo fato de o trabalhador assalariado estar imerso num universo de gestão cujos valores e princípios levam ao esgotamento físico e mental, sendo a produção artesanal uma das possíveis alternativas que propiciam condições de trabalho mais saudáveis e autônomas. Para confirmar essa suposição, analisamos as experiências de duas categorias de artesãos existentes no Brasil - o luthier e o vidreiro. A partir do contato com esses mestres de ofício, por meio de uma pesquisa etnográfica que usou observação não participante e entrevistas aprofundadas, concluímos que os mestres artesãos, apoiados pelas peculiaridades do savoir-faire artesanal, estão parcialmente isentos da precarização presente no cotidiano laboral dos trabalhadores assalariados.

Palavras-chave


Trabalho. Trabalho precarizado. Sentidos do trabalho. Trabalho artesanal.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21575/25254782rmetg2016vol1n180

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Felipe Tavares, Valquiria Padilha

Revista Mundi Engenharia, Tecnologia e Gestão ISSN 2525-4782

Qualis: B4 - Interdisciplinar, B5 - Geografia, B5 - Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo, B5 - Comunicação e Informação, B5 - Engenharias III