ESPÉCIES NATIVAS PARA ARBORIZAÇÃO URBANA DE MUNICÍPIOS DA PLANÍCIE COSTEIRA DO EXTREMO SUL DO BRASIL

Humberto Dias Vianna, Ubiratã Soares Jacobi

Resumo


Projetos de arborização urbana têm por objetivo melhorar a qualidade de vida nas cidades e, para isso, sua implantação deve respeitar os princípios do conforto ambiental, reduzindo a poluição, elevando a infiltração e reduzindo o escoamento superficial durante as chuvas. A utilização de espécies arbóreas nativas da região servirá para abrigo e alimentação da fauna, assim ajudando na preservação da biodiversidade. A implantação deste tipo de projeto deve evitar conflitos com equipamentos urbanos e riscos às pessoas e animais. A arbórea escolhida deve atender aos seguintes requisitos: ser rústica e de crescimento rápido; produzir frutos e flores pequenas; possuir sistema radicular pivotante; não ter presente látex, resina, espinhos e princípios tóxicos e alergênicos; exigir poucos tratos culturais; possuir caule e galhos resistentes; ser pouco suscetível ao ataque de cupins, brocas e agentes patogênicos. A escolha do porte das arvores é realizada em função da presença de redes de energia, água, efluentes e tamanho do passeio.  Neste trabalho, analisou-se o potencial de espécies nativas para arborização urbana. A partir de levantamentos florísticos efetuados em florestas de restingas em municípios da planície costeira do extremo sul do Brasil, identificaram-se 61 espécies em 32 famílias. Desse universo, 36 são indicadas para arborização urbana. A distribuição do porte das espécies foi a seguinte: 6 de pequeno, 14 de médio e 16 de grande porte. Três dessas estão ameaçadas de extinção. Dentre as espécies excluídas por serem inadequadas à arborização, o impedimento mais frequente foi a presença de espinhos, látex ou resina.

Palavras-chave


Preservação; conflitos urbanos; floresta de restinga

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21575/25254790rmmaa2018vol3n2621

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Humberto Dias Vianna, Ubiratã Soares Jacobi

Revista Mundi Meio Ambiente e Agrárias ISSN 2525-4790

Qualis: B2 - Sociologia, B4 - Interdisciplinar, B5 - Geografia, B5 - Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo