EGRESSOS DO SISTEMA PRISIONAL: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA NACIONAL

Thais Zamonelli Hader, Daniele Camargo Vaz, Andressa Melina Becker da Silva

Resumo


Ser egresso do sistema prisional é ter que se adaptar e vivenciar aos preconceitos e estigmas que a sociedade impõe. Esse trabalho tem o objetivo de compreender como é a vida egresso socialmente (trabalho, estudo, psicológico, relação com os familiares) após o sistema prisional, foram consultados nas bases de dados Scientific Eletronic Library Online (Scielo), Biblioteca virtual em saúde (BVS) e Periódicos eletrônicos da Psicologia (PePSIC) os descritores “prisões”, “trabalho” e “egressos”. Foram analisados artigos no período de 10 anos (2009-2019). Localizaram-se 31 artigos, mas, aplicando-se os critérios de exclusão, foram analisados na íntegra oito artigos. Os resultados mostram uma crescente publicação sobre o tema no ano de 2010 e foi possível observar que há poucos estudos sobre a temática. Nota-se que a sociedade não se encontra preparada para receber de volta indivíduos que infringiram as regras do convívio social, em que são submetidos a vivenciar desafios para se reinserir na sociedade e ter de volta sua identidade. Foi notório nos resultados que todos os artigos mencionam programas de auxílio que promovem a reinserção do egresso. Ou seja, o mesmo estado que pune, reprime e julga, insere programas para auxiliar pessoas que passam pelo sistema prisional, como uma maneira de tentar minimizar os efeitos causados pelo cárcere.


Palavras-chave


Prisões; Egressos; Trabalho; Identidade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21575/25254774rmsh2020vol5n21069

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Thais Zamonelli Hader, Daniele Camargo Vaz, Andressa Melina Becker da Silva

Revista Mundi Sociais e Humanidades ISSN 2525-4774

Qualis: B2 - Ensino, B4 - Interdisciplinar, B4 - Psicologia