IMAGENS DO PENSAMENTO E A OBRA DE ARTE EM WALTER BENJAMIN E GILLES DELEUZE

Angélica Antonechen Colombo

Resumo


O movimento artístico conhecido como barroco é tratado por alguns teóricos da arte e historiadores como aquele que trouxe o espírito de uma nova era para criação artística. As obras de arte como as de Caravaggio, por exemplo, com seus jogos de luz e sombra (tenebrismo), e as esculturas de Bernini com suas imensas e infindáveis dobras, trazem em si fragmentos de verdades que quando agrupados levam ao apreciador uma atividade do pensamento até então não experimentada. Filósofos como Walter Benjamin e Gilles Deleuze observaram no barroco a influência que alguns movimentos artísticos da modernidade buscaram para construir a sua trajetória, e também perceberam que a partir disso as obras de arte resgataram para si o caráter de transmitir aos seus apreciadores e espectadores imagens do pensamento que transgrediram o tempo e o espaço, sendo capazes de divulgar também outros tipos de percepção da realidade. Compreender o que são essas imagens do pensamento e como as obras de arte podem ser capazes de produzi-las é o que pretendem Walter Benjamin e Gilles Deleuze. E o que intencionamos neste trabalho é investigar as similaridades entre estes dois autores a respeito do que são as imagens do pensamento por meio de uma pesquisa de cunho bibliográfico.



Palavras-chave


Barroco, Imagens, Montagem, Dobra.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21575/25254774rmsh2018vol3n2605

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Angélica Antonechen Colombo

Revista Mundi Sociais e Humanidades ISSN 2525-4774

Qualis: B2 - Ensino, B4 - Interdisciplinar, B4 - Psicologia

 

Bases indexadas