CO-CULTIVO DE ASPERGILLUS NIGER E CERIPORIOPSIS SUBVERMISPORA PARA PRODUÇÃO DE ENZIMAS LIGNOCELULOLÍTICAS E AÇÚCARES REDUTORES

Priscilla Maria Magri, Sandra de Cássia Dias

Resumo


Etanol de segunda-geração pode ser produzido a partir de resíduos agrícolas tais como bagaço de cana-de-açúcar e palha de milho. Para disponibilizar os açúcares fermentáveis da biomassa lignocelulósica para a fermentação alcoólica é necessário o pré-tratamento seguido da hidrólise enzimática da celulose. Os custos envolvidos com a hidrólise enzimática são elevados e muitas vezes inviabilizam a aplicação em escala industrial. Esse trabalho avaliou o co-cultivo de Aspergillus niger e Ceriporiopsis subvermispora (em fermentação em estado sólido (FES) utilizando bagaço de cana-de-açúcar e palha de milho) para a produção de enzimas lignocelulolíticas e açúcares redutores. O planejamento fatorial 22 foi usado e as variáveis analisadas foram o pré-tratamento alcalino e o pré-tratamento microbiológico (co-cultivo), nos níveis máximos (+) e mínimos (-). A metodologia aplicada consistiu na fermentação em estado sólido seguida de determinações das atividades enzimáticas e dos açúcares redutores.  Para o bagaço de cana-de-açúcar o co-cultivo não foi favorável para a produção das enzimas FPase (celulases totais) e açúcares redutores, porém foi a condição que mais favoreceu a produção de CMCase (endoglicanases). A melhor condição para a produção de FPase e açúcares redutores foi o mono-cultivo de Aspergillus niger em bagaço de cana-de-açúcar pré-tratado. Para a palha de milho, a associação do pré-tratamento alcalino com o co-cultivo dos micro-organismos favoreceu a produção de FPase e açúcares redutores. Já a produção de CMCase foi maior nos ensaios nos quais a matéria-prima não foi tratada e ocorreu o co-cultivo. Portanto, para a produção de CMCase, o co-cultivo foi a melhor condição para os dois resíduos agrícolas e dispensa o uso do tratamento químico, diminuindo assim os custos com o processo.

Palavras-chave


Aspergillus niger; Ceriporiopsis subvermispora; Co-cultivo; Fermentação em estado sólido; Enzimas lignocelulolíticas; Resíduos agrícolas

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21575/25254790rmmaa2016vol1n2230

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Priscilla Maria Magri, Sandra de Cássia Dias

Revista Mundi Meio Ambiente e Agrárias ISSN 2525-4790

Qualis: B2 - Sociologia, B4 - Interdisciplinar, B5 - Geografia, B5 - Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo