COMPOSTAGEM DE LODO DE ESGOTO POR MEIO DE LEIRA ESTÁTICA AERADA COM DUAS TAXAS DE AERAÇÃO

Rony Felipe Marcelino Corrêa, Alexandro Batista Ricci

Resumo


O presente estudo foi conduzido na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de Mogi Guaçu-SP e objetivou analisar a compostagem de lodo de esgoto por meio de leira estática aerada utilizando duas taxas de aeração. O experimento foi composto por uma leira de formato trapezoidal, com 1,65m de altura, 3,5m de base e 7m de comprimento. A aeração da leira foi dividida em dois níveis, sendo um alto (2217, 6m3/d) e outro médio (739,2 m3/d). As taxas de aeração, correspondentes aos níveis de aeração empregados, foram 12,6 m3 de ar.d-1.kg-1 SV (sólidos voláteis)  nos primeiros 15 dias e para 4,19 m3 de ar .d-1.kg-1SV do 160 dia até o final do experimento. A compostagem entrou na fase termofílica logo no início do processo, chegando a atingir 700C em alguns pontos analisados. Porém a compostagem retornou à fase mesofílica 10 dias após o início, retomando a fase termofílica quando a taxa de aeração foi reduzida - 15 dias após. As altas temperaturas iniciais indicam que a aeração atendeu as demandas microbiológicas do processo de compostagem. A compostagem atendeu os requisitos da Agência de Proteção Ambiental do Estados Unidos (U.S. EPA) e a resolução CONAMA 375/2006 para redução significativa de patógenos em todos os pontos da leira e para redução adicional de patógenos nos pontos localizados no topo e meio da leira

Palavras-chave


Composto orgânico; Patógenos; Termofílica; Eficiência energética

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21575/25254790rmmaa2016vol1n2272

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Rony Felipe Marcelino Corrêa, Alexandro Batista Ricci

Revista Mundi Meio Ambiente e Agrárias ISSN 2525-4790

Qualis: B2 - Sociologia, B4 - Interdisciplinar, B5 - Geografia, B5 - Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo