QUALIDADE DO LEITE CRU DE OVINOS DA ÁREA GEOGRÁFICA DE PRODUÇÃO DO QUEIJO TERRINCHO DOP (TRÁS-OS-MONTES)

Sandra Gomes, António José Fernandes, Álvaro Mendonça

Resumo


Com o objetivo de dar a conhecer a qualidade do leite cru de ovinos da área geográfica de produção do Queijo Terrincho DOP, desenvolveu-se este estudo numa queijaria em Vilas Boas, freguesia de Vila Flor. Foram recolhidas 70 amostras de leite cru de ovelha da raça Churra da Terra Quente (CTQ) e 138 amostras de leite cru de ovelha de “outras raças” ao longo de cinco meses (Fevereiro a Junho de 2012). As amostras foram submetidas a análises realizadas por um laboratório interprofissional acreditado (ALIP), onde os parâmetros analisados foram relativos à qualidade físico-química (gordura, proteína e ponto de congelação) e higiénica do leite (contagem de células somáticas). Estas determinações foram comparadas em função dos diferentes tipos de leite (CTQ e “outras raças”). Os resultados evidenciaram qualidade superior para a produção de queijo no leite da raça CTQ em comparação com o leite de “outras raças” sendo o primeiro mais rico em termos de gordura com um valor médio de 7,58% e 5,82% de teor proteico médio. O leite fornecido para a produção de Queijo Terrincho DOP é de qualidade aceitável, sendo o parâmetro da contagem das células somáticas destacado com valores um pouco mais elevados mas, mesmo assim, inferior a 1000 × 103 cel/mL, contrariamente ao que sucedeu no leite de “outras raças”, que ultrapassou esse valor.


Palavras-chave


Qualidade físico-química; qualidade higiénica; leite cru de ovelha; raça Churra da Terra Quente.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21575/25254790rmmaa2016vol1n254

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 António José Fernandes

Revista Mundi Meio Ambiente e Agrárias ISSN 2525-4790

Qualis: B2 - Sociologia, B4 - Interdisciplinar, B5 - Geografia, B5 - Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo