Percepção dos adolescentes de escolas públicas (Rio Grande do Norte) sobre Infecções Sexualmente Transmissíveis

Dany G. Kramer, Emanuel Monteiro Brasil, John Allef Santos Medeiros, Albenize de Azevedo Soares, Ana Beatriz Dantas do Nascimento, Graciane pereira de Souza, Ariana Rodrigues Galvão Paiva, Alissandra Alcântara da Silva, Isabela de Lima da SilvA, Gislanne Stephane Estevam da Silva, Franklin Learcton Bezerra de Oliveira, Amanda Almeida Gomes Dantas

Resumo


O presente estudo objetivou analisar a percepção de estudantes do ensino médio sobre sífilis, tricomoníase e herpes em Santa Cruz/RN. Tratou-se de um estudo exploratório e quantitativo realizado com 196 estudantes de escolas públicas de Santa Cruz / RN. Para tanto aplicou-se um questionário, estruturado no modelo escala de Likert. Observou-se que a maioria, 77,04% afirmaram ser solteiros e 53,57% tinham renda familiar até dois salários mínimos. Apenas 20,91% alegam sempre usar preservativos.  Os principais motivos para o não uso foram: 29,28% confiança e 17,86% não dispor. A maioria não lembra ou diz não ter sido instruído na escola sobre sexualidade (59,17%). A maioria desconhece formas de transmissão e prevenção sobre sífilis, tricomoníase e herpes. Assim, programas de educação em saúde devem ser instituídos englobando-se as comunidades escolares, serviços de saúde e as famílias, de forma a se reforçar a conscientização dos adolescentes e adultos jovens sobre sexualidade responsável e segura.

Palavras-chave


ADOLESCENTE. PERCEPÇÃO. ESCOLA PÚBLICA.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21575/25254766msb2021vol6n11177

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Mundi Saúde e Biológicas (ISSN: 2525-4766)

Revista Mundi Saúde e Biológicas ISSN 2525-4766

 

Bases indexadas